01%20de%20mar%C3%A7o%20de%202021%20(4)_e

confira os links de acesso da programação

Ementa

Mesa de abertura com fala de saudação de representantes das instituições responsáveis pela realização e apoiadoras do Diálogos sobre Gestão Cultural - 7ed.

Ementa

É recorrente a compreensão de que a gestão cultural é conformada por conhecimentos multidisciplinares que entrecruzam artes, política, economia, direito, administração e tantos outros campos científicos. Para além da composição de processos formativos e grades curriculares complexas e inventivas, interessa-nos refletir, nessa mesa, acerca dos desafios e da potência crítica da gestão cultural ao agregar saberes tão heterogêneos. De que modo as possíveis interseções apresentam novas questões, evidenciam ausências e desigualdades, fazem emergir, na cultura, o que antes não era visto?

Ementa

Nessa partilha buscamos debater e refletir sobre a experiência e atuação de mulheres no campo da gestão e produção cultural, seus desafios, artivismos e as possibilidades de articulação coletiva e fortalecimento de redes na América Latina, compreendendo o importante papel das mulheres para a expressão política e construção de espaços de acolhimento, emancipação e insurgências.

Ementa

Entre as áreas de atuação integrantes do circuito de organização da cultura, a gestão cultural ocupa uma posição estratégica, uma vez que habita a encruzilhada do campo cultural ao estabelecer conexões entre todos os segmentos que também compõem esse circuito. Quando situamos a organização da cultura dentro da ordem colonial, podemos compreender que a posição ocupada pela gestão é também um espaço de exercício de poder. Neste sentido, a proposta da mesa é tensionar como a gestão cultural pode servir tanto à manutenção da colonialidade, quanto à construção de práticas desviantes dessa mesma ordem.

Ementa

A mesa pretente compartilhar e refletir sobre experiências de gestão de espaços e projetos culturais que atuam numa perspectiva de acolhimento e empoderamento dos mais diversos perfis sociais: crianças, deficientes, negros, mulheres, dentre outros grupos subalternos e, em geral, pouco considerados aos processos de fruição, criação e produção de cultura. Essas iniciativas extrapolam a dimensão artística, desenvolvendo um papel transversal nas vidas das pessoas que usufruem de suas atividades, fazendo frente, inclusive, aos modelos conservadores de gestão, programação, comunicação e relação com os públicos de equipamentos culturais mais tradicionais.  

01%20de%20mar%C3%A7o%20de%202021%20(6)_e

Ementa

Vivemos um momento de desmonte das políticas e das instituições que deveriam apoiar e estruturar o campo da cultura no Brasil, de conservadorismos e atos de censura contra as artes, mas também de insurgências e resistências contra-hegemônicas. Considerando esse contexto, a mesa propõe o debate sobre o lugar e o papel dos diferentes atores culturais na disputa contra esse estado de coisas. Como agir e se organizar diante de uma guerra cultural que se mostra cada vez mais acirrada? Como avançar, no sentido da autocrítica inclusive, diante desses retrocessos nas políticas e na gestão pública da cultura?

Ementa

Mais do que situar edificações vocacionadas à realização de práticas culturais quaisquer, buscamos trazer para essa partilha experiências de espaços culturais que afetam e são afetados por realidades insurgentes em seus contextos. Trata-se de pensar espaços culturais em intersecção com agendas e pautas que agregam um pensamento político às suas produções simbólicas, buscando contribuir na formulação de debates, políticas públicas e transformações nas realidades em que atuam. 

Ementa

Conferência de encerramento com objetivo de instigar uma perspectiva crítica e multidisciplinar sobre a gestão cultural, discutiremos as Provocações feitas pelo professor e pesquisador peruano Víctor Vich sobre o tema “Políticas culturais, tempo livre e jornada de trabalho”.